Johan Henryque
Um canto de rima, prosa e encanto
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos



A Casa dos Chás

Prelúdio

Paris - 1997


 
Cara eternidade,
 
   Tenho um certo problema em falar sobre Lou, ou Louis para os desconhecidos, tivemos muitas diferenças em nossa infância, mesmo assim a amizade prevaleceu em meio a falta de maturidade.
   Quando minha família decidiu voltar a Paris, sabia que perderia meu único amigo fiel, afinal cartas e distâncias não nos proporcionam a mesma situação de uma conversa frente a frente.
   Cá estou, a degustar um chá de hortelã, a também um frescor de cravo no ar. Alguns sempre nos viram como desajustados e incompreendidos, e por mais que discordasse na época, hoje acabo por entender melhor.
   Nossa aproximação aconteceu por um dos acasos mais previsíveis, nossas famílias eram vizinhas e meus pais desejavam que eu cultivasse novas amizades, o problema se instaurou quando tive dificuldade em expor meu lado amigável.
   Discutimos e brigamos por pelo menos um ano, e toda aquela fúria se dissipou no dia em que o vi sendo espancado por três garotos. Meu orgulho queria rir da situação, mas meu coração tomou o controle e o defendeu.
   Lembro de passarmos a noite no hospital, Lou tinha muitos ferimentos, a polícia acabou por aparecer, me levando para um depoimento. Não lembro ao certo o que lhes disse, aquela sensação de ter feito a diferença, me dominou.
   Louis me agradeceu, foi um dos meus melhores momentos da adolescência, sentir alguém demonstrar gratidão. Tudo mudou desde então. Meu melhor amigo, jamais teve a chance de conhecer Manu, Emanuelle.
   Em uma tarde de sol, Manu adentrou a casa de chás, seu vestido preto com bolinhas amarelas logo chamou-me a atenção, os lábios com batom vinho e um esplendido par de olhos verdes. Naquele dia, senti que os chás, não ligavam apenas o sabor a tranquilidade, mas também, a todas as loucuras que cada um de nós é capaz de imaginar.
 
 
É hora de ver o sol se pôr, Sebastian Leroy Villeneuve.







2018/2019.
 
 
Johan Henryque
Enviado por Johan Henryque em 02/12/2017

Música: Hamburg Song - Keane

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Noah Flint R$35,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras