Johan Henryque
Nas mãos marcadas de tinta, guardei a chave de outro mundo
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos



Visões de Espantalho
 
Capítulo 1
 
   A chuva começou leve naquela tarde, o som da água caindo se misturava ao som daqueles dois. Jenny deitou sobre o peito de Steve, suspirando de leve, ele colocou sua mão direita sobre os cabelos dela, começando a acariciá-los.
– E agora? – Perguntou ela.
– Agora? – Retrucou ele.
– Sim, você já conseguiu o que queria, não é?
– Você acha? Para ser sincero, já havia conseguido, desde a noite em que nos conhecemos. Lembra, no bar, quando cheguei ao seu lado e tentei te paquerar com aquela cantada ridícula?
– Não, como era mesmo?
– Ah, não irei repetir. Esse não é o ponto.
– E qual é?
– Seu sorriso, era tudo que precisava. É difícil olhar ao redor, e perceber que todos acabaram se deixando levar pela superficialidade.
– A gente acabou de transar, isso não se encaixa no que acabou de dizer?
– Não para mim. Mas, se for o caso para você, bem, talvez nem devesse ter acontecido.
   Steve se levantou e vestiu sua calça. Jenny permanecia sem expressão, tentando criar um argumento que o fizesse mudar de ideia.
– Olha, você é diferente, eu só preciso pensar.
– Pensar? Acredita mesmo, que este seja o problema?
– Sim.
– Você pode pensar o quanto quiser, mas só vai poder entender e ver as coisas como elas realmente são, quando for capaz de acreditar nisso.
   Nenhuma outra palavra fora dita enquanto Steve abotoava sua camisa xadrez, ele foi até o espelho que havia no corredor, bagunçou o cabelo e partiu. Jenny adormeceu, tentando refletir sobre tudo que ele havia dito.
– Onde estava? – Perguntou Peter.
– Jenny, do bar. – Respondeu Steve.
– Nossa, enquanto eu canto você se aproveita para atacar as moças.
– Não me culpe por isso. E você sabe muito bem, que não é assim. Pensei que ela fosse diferente.
– Ainda procurando a princesa encantada?
– Cale-se.
– Você parece aquelas garotinhas, que leem as histórias e sonham com o amor verdadeiro. – Peter parou de falar assim que percebeu a expressão indiferente de Steve. – Já percebeu que ninguém pode ser como você? Essa expectativa alta, sempre destrói tudo ao seu redor. – Concluiu.
– Penso algo parecido quando me sento a frente da mesa de pôquer.
– O quê?
– Já percebeu que ninguém pode me vencer? Se num jogo, eu posso conquistar o que quero, por que na vida faria o contrário?
– Steve, você devia parar de fazer com que me sinta um hipócrita.
– Peter, isso só você é capaz de superar.
   Ambos caminharam por três quadras, Peter pensava em algo novo, queria convidar Steve para o próximo show no pub. Mas, era claro que ele não iria querer.
– E Olívia? – Perguntou Peter.
– Por favor, não fale. Já lhe disse várias vezes, minha irmã, não é para você. Não é para esse mundo sujo onde vivemos.
– Desde quando você escolhe por ela?
– Ora, desde quando surgiu essa coragem para me enfrentar?
   Steve deu dois passos para o lado, colocou a mão esquerda sobre o ombro de Peter.
– Existem tantos tipos de pessoas por aí, não seja o verme babaca desprezível. Já lhe disse, és meu melhor amigo. Mas, como lhe conheço melhor que ninguém, isso me dá o direito de intervir quando achar necessário. Agora, pode ir, encerramos por hoje.
 
 
Johan Henryque
Enviado por Johan Henryque em 16/09/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
As Crônicas de Vahl Hallen - O Despertar R$14,99
Noah Flint R$25,99